A homogeneidade da História contra a heterogeneidade do tempo

Dos cristãos primevos a Fukuyama, passando por Marx, toda filosofia da História – ‘História’, com agá devidamente maiúsculo, não ‘história’ –, toda narrativa dos fins e do fim da humanidade, parece-me sempre um combate virtuoso – mas, inevitavelmente, fadado ao fracasso – da homogeneidade da História contra a heterogeneidade do tempo – do tempo passado, presente e futuro–, um combate da verdade da civilização contra o erro da barbárie, um esforço para subjugar e extinguir todas as alteridades, ou seja, todas as formas de vida outras, que existem mas não podem e, sobretudo, não devem continuar existindo no tempo qualificado como histórico, um combate que, ao final, reduz toda a diversidade das formas de vida ao idêntico, ao uno, mediante a operação de uma retórica que justifica, como razão e inevitabilidade da História, toda a violência imanente aos acontecimentos que, inexoravelmente, devem conduzir ao fim determinado, historicamente, como o único possível, fim unívoco e redentor.

Sobre Fabiano Camilo

“[…] o eu deste instante preciso é fundamentalmente diferente do que era um segundo antes, algumas vezes o contrário, mas sem dúvida, sempre, outro.” (José Saramago, “Manual de pintura e caligrafia”, 1977.)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s